Corporate Venture Capital: como ter acesso a investimentos de risco?

A maioria das pessoas têm uma forte tendência a não arriscar. Isso vale para qualquer situação da vida. Porém, quem está à frente de uma startup ou empresa de tecnologia de qualquer porte, já está acostumado com o fator risco em seus projetos. Investir em empresas de tecnologia também é sinônimo de riscos. Por exemplo, quando falamos em Corporate Venture Capital, estamos justamente falando sobre isso. 

Corporate Venture Capital, também conhecido como capital de risco corporativo, é a modalidade de investimento de risco que mais cresce no país. Na verdade, é a prática de investir fundos corporativos diretamente em empresas iniciantes. Geralmente, esse processo é feito por grandes empresas que desejam investir em empresas iniciantes pequenas, mas que sejam inovadoras.

Todo esse trâmite é feito por meio de acordos de joint venture e aquisição de participações societárias. A empresa investidora também pode fornecer à startup experiência em gerenciamento e marketing e direção estratégica, ou até mesmo uma linha de crédito.

Como as Corporate Venture Capital estão operando?

Neste momento, há cerca de 3.000 Corporate Venture Capital operando, segundo a CBInsights. A maioria está começando agora, inspirados nas inovações das empresas e startups. Já rodaram programas de aceleração, incubação e sempre buscam por outros tipos de soluções.  De acordo com uma reportagem da revista Exame, o Corporate Venture Capital vem batendo recordes mundo afora e já é responsável por 25% do volume de aportes.

No Brasil, algumas empresas do setor financeiro estão adotando essa prática. Podemos dizer que estamos vivendo a primeira grande onda de Corporate Venture Capital.  Além disso, seu crescimento se deve a uma abordagem estratégica, que traz ganhos financeiros para a empresa.

Quais os benefícios do Corporate Venture Capital?

Um dos maiores benefícios do Corporate Venture Capital, sem dúvidas, é o valor que ele agrega à empresa. Além disso, ele auxilia nos processos internos de P&D, contribui para o acesso às tecnologias e aos novos e disruptivos modelos de negócios. Esses negócios podem servir de upside para futuros investimentos.

Portanto, mesmo que a prática do Corporate Venture Capital seja recente e esteja em amplo crescimento, muitas empresas já olham para o investimento como um retorno financeiro estratégico acima da média, mesmo que contenha riscos.

Outro benefício é que uma empresa iniciante pode desfrutar da experiência da grande empresa de investimento no setor. Ademais, ela fará parte de uma rede de conexões e ecossistema de produtos.

Para as empresas que estão investindo, os Corporate Venture Capital servem como porta de entrada para a possível aquisição de startups menores e inovadoras. Com objetivos estratégicos, esses empresários podem se tornar líderes de mercado.

Como ter acesso ao investimento?

Captar o Corporate Venture Capital é, muitas vezes, um processo longo e complexo, por isso é importante ter um conhecimento sólido antes de começar. Primeiramente, ter um produto já é um bom começo. Portanto, um produto que ofereça uma boa solução para o problema do cliente, já é meio caminho andando.

Participe de eventos de aproximação

Os investimentos vêm de Corporates que se identificam com os produtos e com a startup, de forma geral. Essa relação entre investidor e empresa pode acontecer de diferentes formas, entre elas:

  • Programas de incubação e aceleração: assim, os empreendedores têm acesso aos mentores;
  • Contratação de produto ou serviço do empreendedor pela empresa;
  • Eventos onde a empresa propõe um desafio a ser resolvido por grupos de pessoas. Como hackathons, por exemplo.

Qualquer um desses tipos de aproximação pode gerar investimentos para a empresa.

Certifique-se se a empresa está pronta para buscar financiamento

O momento certo para abordar Corporate Venture Capital para investimento é diferente para cada empresa. Ocasionalmente, é possível atrair um parceiro VC com apenas uma ideia. Entretanto, a maioria dos negócios é fechada depois que um negócio tem três itens concretos:

  • Uma equipe fundadora
  • Um produto mínimo viável (MVP)
  • Clientes

Como esse tipo de investimento é voltado para empresas que são projetadas para crescer rapidamente, eles acabam tendo muitos custos no processo inicialização. Por isso, para ter a melhor chance de obter financiamento de capital de risco, você precisa de uma ideia inovadora. Dessa forma, o investimento será mais garantido.

Crie um argumento de venda e uma apresentação

Para conseguir dinheiro com um Corporate Venture Capital, investir em um argumento de venda pode abrir portas. Faça uma apresentação que mostre seus argumentos e a visão geral do seu negócio – o pitch. Ela deve ser curta e objetiva, e trazer os seguintes elementos:

  • Composição do seu time
  • Progresso da empresa
  • Valor do investimento
  • Finanças da empresa
  • Uma solução para um ponto problemático do mercado

Encontre o Corporate Venture Capital certo para financiar seu negócio

Para encontrar a empresa certa é preciso antes fazer uma pesquisa. Nesta pesquisa, você vai entender que as empresas de capital de risco costumam ter um foco específico em relação aos tipos de empresas que financiam: produtos de consumo, em software, fintech, tecnologias verdes, IA, entre outras.

Ademais, cada empresa pode focar em diferentes estágios de investimento (semente, estágio inicial, Série A, Série B, etc). Portanto, depois da pesquisa, você vai ter uma lista de Corporate Venture para abordar. Agora, é hora de marcar reuniões.

Entenda como funciona a folha de termos do Corporate Venture Capital

A folha de termos é uma lista não vinculativa de termos preliminares para financiamento de capital de risco. Além disso, existem três seções principais de uma folha de termos:

  • Financiamento: que apresenta quanto dinheiro a empresa de capital de risco está oferecendo para investir e o que deseja da sua empresa em troca.
  • Governança: define a distribuição de poder entre fundadores e investidores da empresa.
  • Liquidação: descreve quem será pago primeiro (os investidores e acionistas ou você) se sua empresa for liquidada, dissolvida ou vendida.

Enfim, depois que compreender como esses termos funcionam, é só negociar com a empresa investidora.

Quer entender mais de perto como as empresas estão estruturando grandes investimentos em startups? Entre em contato e fale com um de nossos especialistas em investimentos.

Compartilhe esse artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email.

    Artigos recentes

    Redes sociais

    Siga-nos nas redes sociais: